quarta-feira, 30 de março de 2016

Jornalista defende eleições gerais

Fui, no tempo do Montoro , um dos primeiros membros do MDB, Movimento de Democratização Nacional, que deu origem ao PMDB. Era um partido de ideais democráticos, voltado para a derrubada da ditadura e realização de uma transição redentora do Brasil. Sob liderança de Ulisses, proclamou a Constituição Redentora.
Mas a ideia de construir uma social democracia no Brasil, levou Montoro e outros companheiros, como Covas, FHC, AloÍsio e tantos outros, a fundar o PSDB, partido dos Tucanos. O PSDB tornou-se um grande partido nacional, ganhou as eleições presidenciais, com Fernando Henrique.
O PMDB, partido com grandes bases regionais, elegeu enormes bancadas e aliou-se a todos os presidentes que venceram as sucessivas eleições, inclusive Lula, do PT e Dilma do mesmo PT.
Elegeu o vice de Dilma, Michel Temer, e até ontem manteve-se no poder ao lado do PT.

A histórica reunião de ontem foi a mais breve jamais realizada no Brasil. Três minutos para o PMDB se desligar do governo Dilma. Isso, aumenta numericamente, as chances de um impeachment da presidente. Mas não foi uma reunião muito bonita. Vendo o barco naufragar o PMDB levanta as velas da nova caravela.
O Brasil precisa ser passado a limpo, ninguém duvida, nem mesmo os legalistas de boa fé defensores do governo, como o integro Wagner Moura. Melhor seria a realização de eleições gerais, incluindo presidência, deputados e senadores. Já. Com candidatos novos, fora das famosas listas da Odebrecht.
Autor: Jorge da Cunha Lima
Nota do BLOG: Concordo plenamente com a opinião do poeta, escritor e jornalista Jorge da Cunha Lima. O Brasil vive um período de intensa recessão econômica, gerada não apenas pela má administração dos recursos públicos, pela falta de investimento e geração de emprego e renda, mas principalmente pela crise político-partidária. Se o governo petista acabou, tampouco o PMDB, sócio e principal aliado, terá condições de retomar a agenda política e o crescimento. As manifestações públicas demonstram claramente que o povo brasileiro quer novas eleições, para mudar e tentar acertar.

Ator global Caio Castro percorre serras potiguares

No próximo sábado (02), o ator global Caio Castro participa do programa de um ano do Rota Inter TV, da Inter TV Cabugi. Ao lado do apresentador Leo Souza, ele desembarcou em Pau dos Ferros, para conhecer e desbravar o Circuito das Serras Potiguares.
Empresários, comerciantes e pessoas dos mais diversos setores, estão somando forças voluntariamente, para expandir o turismo no interior do estado, sobretudo, na região serrana, onde o Rota Inter TV vai o potencial da cidade de Portalegre.

Governo é aprovado por apenas 10% dos brasileiros

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (30) mostra os seguintes percentuais de avaliação do governo da presidente  Dilma (PT): - Ótimo/bom: 10%; - Regular: 19%; Ruim/péssimo: 69%; Não sabe: 1%. O levantamento do Ibope, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi realizado entre os dias 17 e 20 deste mês e ouviu 2.002 pessoas, em 142 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Segundo a CNI, a soma dos percentuais não iguala 100% em decorrência do arredondamento. Na última pesquisa do Ibope encomendada pela CNI, divulgada em dezembro do ano passado, 9% dos entrevistados aprovavam o governo (consideravam "ótimo" ou "bom"); 70% consideravam a gestão Dilma "ruim" ou "péssima"; e 20%, "regular". O nível de confiança da pesquisa, segundo a CNI, é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

PMDB rompe com o governo petista

O Diretório Nacional do PMDB decidiu nesta terça-feira (29), por aclamação, romper oficialmente com o governo da presidente Dilma Rousseff. Na reunião, a cúpula peemedebista também determinou que os seis ministros do partido e os filiados que ocupam outros postos no Executivo federal entreguem seus cargos.
O vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, não participou da reunião que oficializou a ruptura com o governo. O encontro partidário foi realizado em um dos plenários de comissões da Câmara dos Deputados.
A decisão do PMDB aumenta a crise política do governo e é vista como fator importante no processo de impeachment de Dilma. Há a expectativa de que, diante da saída do principal sócio do PT no governo federal, outros partidos da base aliada também desembarquem da gestão petista.
Atualmente, o PMDB detém a maior bancada na Câmara, com 68 deputados federais. O apoio ao governo, porém, nunca foi unânime dentro da sigla e as críticas se intensificaram com a crise econômica e a deflagração do processo de afastamento  da presidente da República.
Na reunião desta terça, os peemedebistas decidiram que todos os seis ministros da legenda terão que deixar os cargos. Quem descumprir a medida poderá sofrer sanções. Nesta segunda (28), o então ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves, sétimo ministro da legenda, entregou o cargo à presidente Dilma.
O vice-presidente da República, Michel Temer, não compareceu à reunião, sob o argumento de que não desejava “influenciar” a decisão. No entanto, ele teve participação ativa na mobilização pelo desembarque do partido e passou toda a segunda-feira em reuniões com parlamentares e ministros do PMDB, em busca de uma decisão “unânime”.
Dilma também lançou mão dos últimos esforços para tentar resgatar o apoio do partido. Na manhã de segunda, ela chamou ao seu gabinete no Palácio do Planalto seis dos sete ministros do PMDB para avaliar o cenário. No entanto, no fim do dia, Henrique Alves, um dos presentes ao encontro, apresentou a sua carta de renúncia.
Apesar do desembarque, Temer continuará na Vice-Presidência da República sob o argumento de que foi eleito pela população na chapa de Dilma e de que não ocupa, portanto, cargo de submissão à presidente.

Barragem Armando Ribeiro aumenta 22 cm

É do engenheiro Rafael Mendonça integrante do quadro de servidores do DNOCS em Assú a informação dando conta que a Barragem Engenheiro Armando Ribeiro Gonçalves aumentou 22 centímetros na sua lâmina de água em dois dias. 
A elevação segundo Rafael Mendonça foi 8 centímetros de quinta para sexta-feira e 14 de sexta-feira, para sábado. A cota atual é de 38,82, o que significa 20 por cento da sua capacidade total de armazenamento. Na quinta-feira, a mesma conta encontrava-se na marca de 38,60.
O reservatório é responsável pelo abastecimento de 38 cidades do estado no Vale do Açu, Oeste e Região Central Potiguar. A previsão do DNOCS é que se não houver uma temporada de chuva com índices pluviométricos elevados em 2016 o reservatório atingirá o volume morto no segundo semestre. Mas, se Deus quiser, isso não irá acontecer!

Calendário das eleições 2016